Notícias

Home > Saiba Mais > Notícias > Ano letivo em recuperação

02/12/2013

Ano letivo em recuperação


Eram 14h, e pouco a pouco a sala de aula se esvaziava. Os poucos alunos da turma se dispersavam entre conversas nos espaçados corredores, entretenimento no celular, ou até completando uma atividade da aula passada. A turma do 1° ano de ensino médio da Escola Estadual Wilston Churchill assistiu a única aula do dia, de geografia, e os estudantes já se despediam da escola. Para as disciplinas seguintes, de filosofia e português, não há professor. Essa turma de estudantes, e  de outras escolas estaduais, corre o risco de terminar o ano sem ter tido nenhuma aula de várias disciplinas. Segundo  Betânia Ramalho, secretária do Estado de Educação (Seec), o conteúdo das aulas em falta serão repostos com o prolongamento Redo ano letivo em regime de ensino intensivo.

De acordo com a Seec, do total de 167 escolas estaduais de Natal, cerca de 22 estão em situação de emergência. A falta de professores já é um problema recorrente das escolas públicas, no entanto, a situação foi agravada após o reordenamento da carga horária dos professores da rede estadual, que acarretou o descobrimento de turmas em disciplinas pontuais.

 Jarbas Oliveira, 17, migrou do município de Pilões, para Natal, a fim de terminar seu ensino médio “na capital”. Com a falta de três disciplinas, ele acredita que estaria melhor na escola antiga. “Somente na quinta tenho o horário de aula completo”. Talvez, seu objetivo de estudar Farmácia, seja adiado por mais um ano.

Tainá França, 18, estudante do primeiro ano, fez a prova do Enem esse ano e sentiu a falta dos conteúdos, principalmente de História. “Não tive nem uma semana de aula. Se tivesse, poderia ter tirado nota melhor”, conta a estudante que mora em Bom Pastor e se desloca todos os dias a escola. “É complicado, vir, pagar passagem pra assistir só uma aula”.

Na E.E. Wilston Churchill, localizada em Cidade Alta, existem turmas com lacunas de aulas de matemática, história, filosofia, português, inglês e sociologia. De acordo com a diretora da escola, Maria Eliane de Carvalho Han, atualmente, para suprir a demanda em falta, seriam necessários mais 13 professores. No turno da manhã a situação foi amenizada pela junção de quatro turmas há dois meses. Mas ainda há outro problema. O lançamento das notas é de responsabilidade do professor específico da turma, nem a direção ou coordenação tem acesso ao sistema das notas. E quanto aos que estão com a falta de aulas, não existe previsão para reposição pela direção.

 As lacunas de aula contribuem também para o esvaziamento na sala de aula. Turmas de 30 alunos, com apenas 15 em sala. É desestimulante ir à escola e não ter aulas, concordam alunos e diretora. a diretora 15h45 da tarde, nenhuma turma mais em aula.

Na E.E. Edgar Barbosa, localizada em Lagoa Nova, a situação se repete, com soluções de amenização recentes. Cerca de cinco turmas  chegam ao final do ano prejudicadas com a falta de professores para Matemática, Inglês, Filosofia, Física e geografia.  Há dois meses, a escola recebeu suprimento de professores. Alguns substituíram durante a semana e outros estão ministrando aula aos sábados. “Para 2014 amenizamos os prejuízos no conteúdo, só torcemos para ter professor próximo ano”, declara Ilkécia da Silva, vice-diretora da escola.

“Teve dias que a gente veio só para gastar a passagem”, relata Felipe Gabriel Lima, 17, sobre o inicio do segundo semestre. Para acelerar o conteúdo de História, o professor está passando trabalhos para a turma e no sistema de reposição de filosofia, ele não pode vir aos sábados. “Mesmo com os novos professores, a gente tem prejuízo”, lamenta.

“Não fiz o Enem porque não estava preparada nos conteúdos”, relata Lidiane Honorato, 17. Ela chegou a pensar em mudar de escola, mas ficou com medo de encontrar a mesma situação. Na sua turma falta professor de sociologia, inglês e filosofia.

Na E.E. Anísio Teixeira, localizada em Petrópolis, três turmas tem falta de horários de aula nas disciplinas de biologia, geografia e sociologia – uma turma cada, todas do segundo ano. O problema se apresenta o ano inteiro. Francisco Neris Viana, diretor do Anísio Teixeira, acredita que vai resolver a situação com reposição de conteúdo no ano seguinte.

Fonte: Tribuna do Norte


Outras notícias

13 de dezembro de 2017

CIADE tem projeto aprovado pelo juizado criminal

No último dia 07 o CIADE recebeu a visita do juiz da primeira vara criminal de Natal, o Sr. Agenor Fernandes da Rocha Filho, na ocasião foram apresentados os materiais adquiridos com os recursos oriun…


09 de novembro de 2017

Quem tem BPC precisa estar no Cadastro Único

Os beneficiários precisam procurar o CRAS mais próximo e realizar seu cadastro até 31 de Dezembro de 2017, caso contrário terão o BPC suspenso. Para tirar dúvidas os beneficiarios podem ligar no númeo…


31 de outubro de 2017

500 anos da Reforma Protestante

Hoje (31) comemoramos os 500 anos da Reforma Protestante, essa data retoma o evento que aconteceu em 31 de outubro de 1517, quando Martinho Lutero pregou suas noventa e cinco teses na porta da Igreja…


05 de outubro de 2017

CIADE recebe doações para comunidade vítima de incêndio

Na manhã desta quarta feira (4) um incêndio de enormes proporções deixou aproximadamente 108 pessoas desabrigadas na comunidade do Lenigrado, localizado no bairro Planalto em Natal. Nós do CIADE comov…


Ver todas

CIADE em ação

2.130kg Alimentos Doados
34 Funcionários
20 Idosas Residentes
72 Voluntários


CIACAPS EscolasCidadão Nota 10Coletivo - Marketing e PropagandaEspuma Service - Higiene e LimpezaIgreja Evangélica Assembléia de Deus no Rio Grande do NorteJornal Vida Abundante
Mesa BrasilPrefeitura do NatalRádio Nordeste EvangélicaRégis RefrigeraçãoRoma Distribuidora